Design e Decoração

Design inovador: 7 tendências para designers de interiores

01/08/2017
Notebook-celular-smartphone-mesa=-mão-homem-pessoa-trabalhando-procurando-inovações-designer-tendências-do-mercado-para-aplicar-na-área-de-trabalho-no-dia-a-dia-melhorar-ações

Seu sonho, ou melhor, seu objetivo profissional é ser independente e ter o seu próprio escritório? E se, além de realizar esse objetivo, você ainda se tornasse referência de mercado? Sem dúvidas, você está pensando que esse cenário seria o ideal para a sua carreira, não é mesmo?

Uma das práticas mais indispensáveis para alcançar esse propósito é conhecer e estudar constantemente as principais tendências para design inovador de interiores. É dominando esse conhecimento que você vai conquistar status não só entre seus clientes e potenciais clientes, mas também entre seus colegas de profissão.

Nesse post, você vai conferir não só as tendências mais atuais do mercado, mas também a influência delas em sua performance profissional, além de desvendar as melhores maneiras de apresentar e aplicar seu projeto de decoração. Confira a seguir!

O peso de um pessoal atualizado

Quando o assunto é design de interiores, você já está ciente de que conhecimento e referências históricas são essenciais, certo? Entender as possibilidades de mobiliário que o mercado oferece e renova de tempo em tempo também. Mas o principal aspecto que rege a realização de bons projetos é saber moldar esse conhecimento de acordo com o que está sendo mais valorizado no momento, ou seja, de acordo com as tendências.

Um profissional com percepção espacial afiada e olhar treinado para enxergar as soluções mais atuais para um ambiente sai sempre na frente na hora de sugerir ideias para seus clientes. Se você se encaixa nesse perfil, sem dúvidas, você será capaz de cumprir com as expectativas de seus compradores e tirar seus projetos do papel com êxito.

Como me atualizar?

Para alcançar e se manter nesse patamar, você pode continuar retirando suas referências de seus estudos acadêmicos, mas não deixe de procurar saber sobre as feiras e exposições de design de interiores mais próximas de você e, claro, comparecer. Leve em conta também eventos e exposições culturais, como palestras ou museus.

Ainda assim, não se apegue ao óbvio. Seja intuitivo e exercite sua criatividade. Seja cada vez mais observador e veja cada novo ambiente, e até mesmo paisagem, como uma oportunidade de inspiração.

Quando você transforma essas atitudes em rotina, você acaba criando ideias autorais que vão e proporcionar status e destaque. Você será capaz de cultivar bons relacionamentos profissionais e, principalmente, catalisar seu networking.

Porque alinhar a equipe?

Quando se trata de uma loja ou escritório que possui uma equipe dedicada a este mesmo trabalho, o conhecimento das tendências é ainda mais indispensável. O time precisa ser incentivado a ter as atitudes que citamos para que, independentemente de quem for atender o cliente que adentrar o estabelecimento, qualquer um dos profissionais esteja apto para atendê-lo de maneira ideal.

É possível fazer isso criando um projeto de ambiente de trabalho. Uma dica que pode ser interessante é realizar reuniões periódicas e propor a discussão dessa pauta. Quem sabe até estabelecer tarefas, propor que cada membro apresenta uma novidade a cada reunião. Além disso, no dia a dia da empresa esses profissionais também podem — e devem — trocar figurinhas, tirar dúvidas, pedir feedbacks para sanar todos detalhes de um projeto e compartilhar conhecimento.

Outra maneira eficiente de capacitar um grupo de funcionários é oferecer treinamentos que ensinem noções e técnicas inovadoras que surjam no mercado. Há sempre inovações nos softwares para criação de projetos de design de interiores. Treinamentos sobre técnicas aplicáveis nesses softwares, por exemplo, seriam bastante pertinentes.

Tanto falamos de tendências neste tópico que já passou da hora de você se inteirar sobre as tendências de design de interiores mais atuais, não é mesmo? Separamos alguns destaques imperdíveis no tópico a seguir!

7 tendências de design de interiores que você precisa conhecer

Um dos pilares da sua atuação como designer ou decorador é, sem dúvidas, a estética que você define junto com seu cliente para compor um ambiente. O mercado de design de interiores possui inúmeros elementos e ferramentas que permitem realizar projetos com os mais variados estilos e finalidades.

É a partir da decisão de um estilo que você é capaz de definir a paleta de cores, as texturas, o mobiliário e a decoração. Como dissemos, esse caminho deve ser trilhado com o acompanhamento das renovações de tendências.

A atualização das tendências é um ciclo ditado pelas mudanças de comportamento no mundo todo, não poderia ser diferente para a área de interiores, certo? Veja agora quais são as tendências de design de interiores que estão em voga para que você já possa tirar ideias para seus próximos projetos!

1. Design industrial

O design industrial é uma proposta despojada de estética que é, ao mesmo tempo, irreverente e casual. Sua intenção é transmitir um aspecto de chão de fábrica. Essa ideia foi inspirada nas fábricas que se tornaram lofts por volta dos anos 1950 em Nova York, e acabaram por manter a maioria dos aspectos estéticos anteriores à mudança.

A regra principal dessa tendência é não se preocupar em esconder as “entranhas” do espaço a ser decorado. É claro que você não deixará de tomar as medidas necessárias para garantir segurança, acabamentos e revestimentos que são indispensáveis.

A questão é que ambientes com essa estética podem conter cimento queimado, alvenaria e rede elétrica à vista, madeira de demolição, paredes de lousa etc. Os próprios encanamentos, tijolos, blocos e argamassa aparentes podem ser responsáveis por criar as texturas no ambiente.

A cartela de cores dessa tendência envolve preto, cinza, marrom, vinho, azul-marinho, bronze, cromado, dourado, ou seja, basicamente tons metálicos, terrosos e sóbrios. O nível do despojamento do ambiente vai de acordo com o estilo pretendido pelo cliente, mas, em geral, usa-se apenas alguns dos artifícios citados para não saturar o ambiente com informações e causar uma impressão negativa.

2. Fun design

Essa tendência possui uma personalidade vibrante que mistura referências variadas apresentando-as de cores. Os tons são sempre vivos e podem ser aplicados e misturados em todos os elementos do ambiente, desde as paredes até os objetos de decoração.

O fun design mistura os elementos do passado com os do presente, principalmente na decoração. Você deve apostar em posters que trazem referências aos movimentos tropicalistas e de vanguarda. Ao mesmo tempo, você também pode selecionar demais objetos de decoração adornados com emojis ou referências de web séries atuais, por exemplo.

Frases de efeito e mensagens positivas em paredes, quadros e almofadas com tipografias despojadas são bem-vindas. Utilize também imagens digitalmente modificadas de ícones culturais que tenham sido símbolo de grandes mudanças, conquistas e inspirações como Frida Kahlo, por exemplo.

As texturas dos tecidos podem ser trançadas, misturadas de maneira democrática e eclética. O resultado vai ser uma sensação de diversão com um toque de engajamento.

3. Design Minimalista

O minimalismo talvez seja a tendência que mais reaparece e se reinventa ao longo dos tempos. Em sua forma original, o estilo sugeria o uso de linhas retas e objetivas tanto no ambiente quanto no mobiliário, e o uso de cores primárias, quando o assunto era design de interiores.

Desta vez, esse estilo, que presa por simplicidade em cada detalhe da decoração, chega com uma proposta diferente.

O novo minimalismo propõe a ausência de cores em seu tom original. Busque manter as paredes dos ambientes mais monocromáticas e sóbrias, em tons de branco gelo, cinza chumbo, preto fosco ou café. Valorize a luz natural e planeje um contraste entre as cores protagonistas do espaço, com as cores que estão presentes na parede e no mobiliário.

Invista em prateleiras, janelas e quadros em formatos retangulares para criar linhas contínuas no ambiente. Já os demais móveis e itens de decoração, podem ter formas um pouco mais arredondadas, mas sem muita informação, para compor o ambiente.

Essa nova proposta de minimalismo aceita até mesmo texturas, desde que discretas e despojadas, apenas como um sinal de irreverência no ambiente. O toque final desta tendência seria apostar em itens funcionais que transmitam bastante conforto, como sofás, almofadas e tapetes em formatos retangulares.

4. Design Provençal

Com influência na França antiga, essa tendência resgata a elegância e delicadeza das decorações de época. Se você estiver familiarizado com os elementos de estilo de personalidades como Maria Antonieta, você sabe bem do que se trata.

Essa estética é ideal para ambientes amplos, com bastante iluminação natural e que lembrem os salões dos casarões e castelos. A cartela de cores, por sua vez, deve incluir tons suaves. Até mesmo os tons pastéis devem ser utilizados com cuidado. As texturas podem ser feitas em canelados discretos e semelhantes, ou você pode optar por elementos de madeira pura e deixar que as texturas naturais complementem o ambiente.

Utensílios que remetam a campos, como jardins verticais, cactos e vasos de flores singelas, em geral, são apostas perfeitas de decoração, como cerâmicas, porcelanas e vasos de vidro, por exemplo. Já as estampas dos objetos podem ser adornadas com motivos florais e delicados.

Além disso, em meio a toda essa delicadeza, o luxo francês pode ser representado por bordas douradas no mobiliário e na decoração. Apostar em uma decoração com mais informação também auxilia a compor o ambiente para dar essa sensação. Isso pode ser feito acrescentando objetos, como cestas, boleiras, bandejas, jogos de chá, distribuídos com finalidade funcional, mas também para conferir charme.

5. Design poligonal

Essa tendência se originou de uma estética muito utilizado pelos designers gráficos, o lowpoly. Esse termo consiste na construção de personagens a partir de uma pequena quantidade de polígonos tridimensionais.

Traduzido para o design de interiores, o lowpoly pode gerar ideias bastante inovadoras. Algumas já utilizadas incluem, por exemplo, o uso de ilusões de ótica. Essas ilusões podem ser utilizada em pisos e paredes a partir da aplicação de triângulos diversos que façam parecer que as figuras geométricas são tridimensionais para quem olha de um certo ângulo.

A forma mais irreverente de utilizar essa estética em um projeto é aproveitar quinas de paredes ou até mesmo de móveis para criar formas poligonais físicas em determinados pontos do ambiente. É possível fazer um desencadeamento de polígonos que forme uma mesa, um armário, e demais adereços mobiliários, basta pesquisar e exercitar a criatividade.

No design gráfico, o lowpoly costuma necessitar de texturas bem estruturadas. Essa característica não precisa ser transferida para o design de interiores. As formas poligonais já são suficientes e podem ser consideradas como as protagonistas do projeto. Dê preferência por texturas mais simples.

A cartela de cores dessa tendência é predominantemente sóbria e clean. Ela inclui tons de branco, cinza, marrom, preto, mas deve ser complementada com cores vibrantes pontuais, como rosa coral, amarelo-mostarda, turquesa, verde limão, laranja etc.

6. Design brasileiro

Antes que você comece a se perguntar, essa tendência inspirada no Brasil não tem nada a ver com utilizar exclusivamente as cores da nossa bandeira na decoração. A questão é que a produção nacional tem se destacado e é considerada uma forte aposta para decoração.

Com um pouco de influência da nova maneira de dispor meios corporativos, como fazem os coworkings, a proposta dessa tendência é buscar integrar espaços. Isso quer dizer que você deve buscar valorizar, por exemplo, lajes extensas, espaços de convivência amplos e utilizar cada vez menos divisórias.

O mobiliário deve contar com móveis maciços e imponentes. Já a decoração deve ser pensada levando em conta uma valorização de produtos artesanais, podendo ser eles de tapeçaria, cerâmica, palha, capim dourado, dentre outros.

Áreas verdes também são essenciais para ornar com esse clima de proximidade com o natural e com a natureza. Os tecidos também devem ser naturais e em cores mais quentes e aconchegantes, como marrom, bege e laranja, ou relembrarem os tons de flora, como verde, lilás e rosê.

A maior novidade que pode-se associar a essa tendência é uso do cobogó. Se trata de uma maneira de trabalhar o cimento que criar padrões de textura com vazados. Já se encontra cobogó feito de cerâmica, argila e até mesmo vidro, e em diversas cores. Para utilizar cobogó de uma maneira moderna, basta apostar em tons mais vivos.

A grande vantagem é que essa inovação permite a entrada de luz natural e ventilação no ambiente na medida certa. Por outro lado, na hora de planejar o projeto é preciso levar em consideração que ele não oferece nenhuma proteção acústica.

7. Design revestido

A proposta de um ambiente com revestimento é quase uma evolução da estética rústica, mas de maneira mais limpa, simples e elegante. O objetivo principal dessa tendência é preservar a modernidade de um ambiente.

Para conseguir uma estética dessas, tenha em mente que todos os elementos escolhidos para compor o projeto precisam ser atemporais e, preferencialmente, icônicos. Mobiliários assinados por nomes referência no mercado, por exemplo, são ideais.

Os elementos devem ganhar unidade por meio da união de simplicidade e da elegância. Decorar com mesas, paredes e revestimentos de ampla cobertura com madeira lisa, ardósia, ou apostar em tecidos sofisticados, como o linho e o couro, são boas pedidas.

Opte por texturas mais lineares e contínuas, não muito chamativas. Já a cartela de cores envolve tons de madeira e cores mais frias, como cinza e verde, em tons mais fechados.

Essa estética é ideal para projetos que envolvam imóveis mais nobres e clientes com poder aquisitivo para de arcar com a manutenção de seus componentes. Os materiais utilizados agregam bastante valor ao ambiente e isso é uma característica destacável se comparada com as demais tendências.

A importância da apresentação de projetos

Depois de unir as expectativas do seu cliente aos seus conhecimentos e finalizar a proposta de projeto, é hora de apresentá-lo, certo? Com certeza você querer garantir que o seu cliente fale a mesma língua que você e entenda as soluções propostas para cada detalhe.

Para isso, você precisa se certificar de que a sua apresentação será, primeiro, criativa — para prender a atenção e cativar o seu possível comprador — e, segundo, didática — para que ele compreenda os processos que envolvem a realização do projeto, e o profissionalismo que você depositou nele .

Se você trabalha em loja ou escritório, o ideal é que, no estabelecimento, haja um espaço específico para isso. Por outro lado, se você não possui espaço físico, com certeza, já está acostumado a se adequar às necessidades do seu cliente, visitá-lo ou marcar reuniões com frequência. Para este momento em específico, garanta que o local de apresentação também vai contribuir com sua performance.

Como criar uma boa apresentação?

Com certeza, a apresentação que você fará ocorrerá com o auxílio de multimídias. É importante que o material a ser mostrado esteja impecável em todos os aspectos, e que ele seja envolvente, interessante e atrativo. Pode parecer uma mera questão de captar a atenção dos ouvintes de maneira constante, mas vai além.

Abuse dos softwares disponíveis para criação de multimídias voltadas especificamente para design de interiores. A qualidade do material apresentado reafirma a confiança de seu cliente do trabalho da sua empresa e mostra que as expectativas deles estão sendo cumpridas.

Não mostre apenas slides estáticos. Você pode utilizar vídeos, animações e demais variações para mostrar uma simulação do que está sendo proposto. Não tenha medo de investir nesse aspecto.

Qual a maneira ideal de apresentar?

Uma boa apresentação deve ser introduzida reafirmando a finalidade do projeto em questão. Logo em seguida, é interessante repassar o briefing do projeto brevemente. Isso garante que o cliente não vai desviar do que foi previamente acordado, e reafirma quais são os requisitos e o conceito que o projeto proposto deve cumprir.

Ao longo da apresentação, faça questão de explanar o passo a passo do projeto com uma linguagem simples e objetiva, evitando termos que possam confundir o seu cliente. Se for necessário utilizar algum termo técnico, explique-o.

No momento de apresentar ilustrações e croquis, aponte exatamente o que cada elemento representa e argumente sobre a sua importância. Lembre-se também de alternar o seu tom de voz para não criar um clima monótono.

Além disso, obviamente, é indispensável que o projeto em si seja objetivo, funcional e cabível. O conteúdo que você criar deve ser sempre autoral, valioso e de qualidade. Se não for este o caso, não há técnica de apresentação que possa converter um cliente.

A relevância de um processo bem nivelado

Ao longo deste post nós conversamos sobre tendências abordando a importância de um time de designers e decoradores atualizado, as tendências em destaque na atualidade e a forma ideal de apresentar um projeto para um cliente de forma que ele sinta confiança no seu conhecimento.

Você percebeu que, ao falar sobre tendências, perpassamos por grande parte do processo de realização de um projeto? Exatamente! O entendimento das tendências é essencial do início ao fim dele.

Veja só, concordamos que o profissional responsável por um projeto precisa estar sempre atualizado, certo? Conhecer tendências também significa entender quais tecidos, insumos, texturas, materiais e acabamentos vão ser ideais para o seu cliente. Mas, além disso, tendência envolve inovação.

Como dissemos, as mudanças de comportamento geram tendências, e são elas que vão guiar as inovações que virão em seguida. É necessário inovar no atendimento e na comunicação com o cliente, nas pesquisas que você realiza para cada projeto, nos softwares que você busca como ferramenta para construir e apresentar uma proposta.

É por meio da inovação que é possível garantir que a equipe de colaboradores, ou até mesmo a sua própria atuação individual, esteja sendo condizente etapa após etapa no desenvolvimento de um projeto. Portanto, o conhecimento de tendências é essencial para nivelar o processo de realização de uma proposta e garantir que ela seja um sucesso, concorda?

Agora que você já adquiriu todos esses conhecimentos sobre design inovador, não se esqueça de que é essencial pesquisar constantemente para se atualizar. Hoje, graças às tendências construídas nos últimos anos, possuímos várias redes sociais que são facilitadores para profissionais como você, que estão sempre na ativa.

Uma dessas redes é o Pinterest, uma rede social que permite pesquisar ideias imagéticas para basicamente tudo, inclusive, design e decoração. Enquanto você sai de uma reunião para captação de clientes e se desloca para encontrar com um fornecedor, você pode ter uma ferramenta de pesquisa poderosa e versátil na palma da sua mão.

Aproveite para conhecer o Guia do Pinterest e, assim, utilizar esse aplicativo da melhor maneira possível e sempre conseguir novos insights e inspirações!

Você também pode gostar

1 comentário

  • Reply Rosangela Costa 09/02/2018 at 12:15

    Ok

  • Deixe um comentário