Criar projeto elétrico: 6 dicas para designer de interiores

Tempo de leitura: 6 minutos

Na hora de pensar no design de interiores, uma das questões mais importantes é o projeto elétrico. Ele garante que todo o imóvel seja totalmente funcional, aproveitando o melhor dos recursos de energia em eletrodomésticos, aparelhos eletrônicos e até em relação à iluminação.

Sendo um designer de interiores, é indispensável que você tenha os conhecimentos adequados para criar esse elemento fundamental. Portanto, nunca é demais conferir dicas que ajudam a garantir que tudo saia exatamente como o esperado.

Desse jeito, veja 6 orientações nesse sentido e saiba como fazer um bom projeto.

1. Considere quais são as necessidades para cada cômodo

Em primeiro lugar, a criação de um projeto elétrico deve considerar quais são as maiores exigências do cliente. Em geral, isso varia com cada cômodo e, portanto, é preciso ter muito cuidado ao absorver todos os pontos que são importantes.

Na sala, por exemplo, normalmente, é importante ter tomadas suficientes para os móveis, ao mesmo tempo em que a iluminação precisa ser versátil para as diferentes condições. Uma sala que também funcione como área para ver TV ou como cinema em casa exige uma iluminação que se torne indireta, conforme a necessidade.

Já o quarto exige um projeto focado no aconchego, conforto e descanso, sem desconsiderar a parte prática. Tomadas para suprir as necessidades são fundamentais, assim como na cozinha com os eletrodomésticos.

Enquanto isso, o banheiro requer atenção especial porque precisa tanto ligar o chuveiro como também deve ser útil para quem deseja se arrumar por lá, por exemplo.

Entenda o estilo de vida de cada cliente e, a partir daí, defina toda a estrutura elétrica que precisa estar presente em cada cômodo. Isso inclui considerar a dimensão da estrutura, o número de fases, o total de tomadas e ligações e assim por diante.

2. Não se esqueça de pensar na segurança

Mexer com a parte elétrica de uma construção é algo que exige muito cuidado. Qualquer erro pode levar a problemas como curto circuito e até incêndios ou riscos de descargas elétricas nos moradores.

Portanto, é preciso observar a segurança para determinar quais são os elementos que farão parte dessa abordagem. Na hora de pensar no banheiro, por exemplo, é fundamental que as tomadas estejam em uma área completamente seca, prevenindo problemas.

Na cozinha, mantenha esses elementos fora da área de maior calor, evitando que alguns fios derretam ou parem de funcionar, queimando, inclusive, o aparelho que estava ligado.

Considere, ainda, a necessidade de equilibrar as fases e de itens que precisam de tomadas dedicadas devido à carga que exercem na rede. Não ultrapasse limites de capacidade e tenha sempre um fator de segurança para garantir que tudo saia adequadamente.

3. Mantenha a versatilidade em mente na hora de planejar

Ao mesmo tempo, é fundamental considerar que, muito provavelmente, o lar não se manterá de forma indefinida. Pode acontecer de os moradores trocarem os móveis de lugar, adicionarem novas tomadas ou realizarem a manutenção em algumas áreas.

Com isso, o projeto elétrico deve contemplar todas as possíveis mudanças, de modo a criar uma configuração que seja altamente versátil. Pense, por exemplo, em dispor caixas de distribuição e usar conduítes em certos pontos, evitando a quebra de grandes áreas da parede.

Além disso, procure facilitar a provável manutenção no futuro, criando um projeto de acesso menos complexo e que evitará despesas menores em caso de transformações.

4. Use a planta baixa para mapear o projeto elétrico

Independentemente de quais sejam as exigências quanto a esse tema, é importante que tudo seja devidamente registrado na planta baixa. Essa é uma forma concreta de ver o projeto inteiro e verificar como todos os elementos conversam entre si.

Dependendo, esse registro mostra que há possibilidades de otimização ou que um determinado ponto precisa ser consertado para garantir o efeito desejado, como a existência de pilares ou paredes que não podem ser quebradas.

Além de tudo, o registro na planta baixa ajuda a orientar todos os profissionais, de modo que a comunicação fique adequada e com chances menores de erros.

Com tudo devidamente assinalado, há proteção para o cliente e para o designer de interiores, garantindo que tudo seja cumprido conforme o que foi inicialmente planejado.

5. Selecione os materiais corretamente

Outra questão que não deve passar em branco é a necessidade de selecionar os materiais corretamente. Isso tem a ver tanto com a questão prática e de segurança quanto com a harmonização da decoração.

Analise questões como o diâmetro e o material dos fios, as luminárias que serão usadas — como os spots embutidos — e até os espelhos das tomadas, além de outras questões relevantes.

O principal objetivo é garantir que esse projeto faça parte de tudo mais que o imóvel e sua decoração apresentam, gerando consistência, harmonia e resultados agradáveis, práticos e funcionais.

Faça a recomendação adequada de materiais para que seja possível obter o melhor resultado com essa abordagem.

6. Pense em como será a parte estética do projeto

Depois de considerar todos esses pontos, a segurança do projeto elétrico, a sua utilidade e a sua funcionalidade estarão garantidas. Por si só, isso já garante que o imóvel atenda às necessidades de seus moradores.

Porém, quando se fala em design de interiores, não dá para desconsiderar a importância da estética. Portanto, é necessário planejar como o projeto elétrico será apresentado esteticamente.

Comumente, a ideia é que todos os fios, tubulações e distribuidores sejam tão escondidos quanto possível, entre o forro ou nas próprias paredes. Isso cria um visual mais limpo, ligado a estilos clássicos ou minimalistas.

Recentemente, entretanto, a tendência industrial tem ganhado cada vez mais força e um dos pontos é, justamente, a exposição daquilo que, normalmente, fica escondido.

No caso de um projeto que considere esse estilo de decoração, pense em como os canos e as tubulações metálicas serão expostas em cada um dos cômodos. Isso garantirá total harmonização com os outros elementos, além de aumentar a satisfação dos clientes.

Ao considerar esses pontos, o projeto elétrico ficará adequado e conveniente para atender às necessidades dos moradores. Se necessário, faça um checklist para que nenhum ponto fique de fora.

Ficou com alguma dúvida sobre tudo isso? Quais são seus desafios nessa elaboração? Conte nos comentários e participe!

Sobre Alexa | Promob

Designer de Interiores, executiva de relacionamento e colaboradora de conteúdo na Promob. Profissional com experiência em projeto de ambientes internos, tendências e inovação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *