Como criar um bom portfólio? 5 dicas para designers de interiores

Tempo de leitura: 17 minutos

Trabalhar como designer de interiores apresenta alguns desafios. Um deles é aprender como criar um portfólio. Esse recurso é especialmente importante para quem está começando na profissão, já que é assim que mais clientes podem ser atraídos.

O portfólio usa aquela ideia de que “uma imagem vale mais que mil palavras”. Para um designer de interiores essa prerrogativa é fundamental, porque é dessa forma que os clientes conseguirão ver a qualidade do trabalho e ter uma ideia do resultado.

Devido à relevância desse assunto para você, criamos este post que vai mostrar a algumas dicas para criar um bom portfólio. Para abranger todos os aspectos desse assunto, vamos abordar os seguintes tópicos:

  • faça um portfólio para o seu destaque no mercado;

  • tenha mais de um tipo de portfólio;

  • organize os seus trabalhos;

  • pense na apresentação dos seus projetos de interiores;

  • inove!

Com esse conhecimento você vai apresentar melhor o seu trabalho, ser mais reconhecido profissionalmente e atrair mais clientes. Então, acompanhe e veja o que fazer!

1. A importância do portfólio para o seu destaque no mercado

Os profissionais, quando pretendem entrar no mercado de trabalho, apostam em um bom currículo. Essa estratégia é importante, mas ineficaz para alguns segmentos, como o de design de interiores. Por trabalhar diretamente com aspectos visuais, o que faz a diferença para esse profissional é um bom portfólio.

O portfólio pode ser usado tanto para a conquista de uma vaga no mercado de trabalho quanto para atrair mais clientes. Ele indica o que o profissional é capaz de fazer e quais são suas habilidades.

O portfólio também indica se você é criativo e se atende às expectativas do que o cliente quer. Essa ferramenta, portanto, é uma forma de ganhar competitiva perante os outros profissionais.

1.1. O portfólio na sua carreira

O portfólio é um recurso que funciona como uma vitrine do trabalho que você desenvolve. Por isso, ele deve apresentar suas características e a identidade dos seus trabalhos, além de mostrar uma parte dos princípios e conceitos adotados na elaboração dos projetos.

É assim que você comprovará que domina as técnicas e ferramentas e consegue criar projetos diferenciados. Junto do seu currículo e experiências que vivenciou, o portfólio se torna um recurso diferencial.

Ele vai acompanhá-lo por toda a sua carreira, inclusive quando você já for um profissional renomado. Afinal de contas, você está demonstrando o que pode fazer como profissional. Além de isso passar confiança para o cliente, ainda permite que ele indique de modo mais claro o que deseja. Assim é mais fácil fechar contratos.

Agora que você já entendeu qual a importância do portfólio, vamos às dicas práticas! Daqui em diante você verá 4 dicas fundamentais para melhorar a sua apresentação ao cliente e ter mais chances de sucesso na negociação. Confira!

2. Tenha mais de um tipo de portfólio

Os designers de interiores, atualmente, preferem mostrar um tipo de portfólio, geralmente o online. Isso é um erro. Apesar de esse recurso ser bastante pessoal, ter como finalidade apresentar suas qualidades técnicas e artísticas e não possuir regras preestabelecidas, é importante que você considere diferentes modelos para atender a todos os tipos de clientes.

Lembre-se de que o portfólio é como uma biblioteca pessoal que registra todos os projetos já idealizados e desenvolvidos. Essa é uma forma de você observar sua própria evolução e demonstrar mais profissionalismo perante os clientes.

De modo geral, podemos separar os portfólio em dois tipos: impresso e online. Ambos são válidos e devem ser adotados, porque se complementam e ajudam em diferentes aspectos da carreira. Veja a seguir as características de cada modelo:

2.1. Portfólio impresso

O portfólio impresso é mais indicado para carregar e mostrar para o cliente. Ele deve ter um bom tamanho, de aproximadamente 23 cm x 43 cm e ter formato paisagem. As páginas devem ser removíveis para facilitar a demonstração.

Os trabalhos devem estar reunidos em uma pasta bonita e elegante, que possa ser apresentada pessoalmente. A vantagem do portfólio impresso é poder contar com cores e texturas mais definidas. Por isso, é recomendado para evidenciar algum desses aspectos.

Por outro lado, esse tipo apresenta desvantagens. Haverá clientes que vão preferir analisar o portfólio antes de marcar uma reunião. Nesse caso, contar somente com o impresso pode levar à perda do cliente.

2.2. Portfólio online

O portfólio online, também chamado de digital, é um recurso mais flexível e que, atualmente, é uma obrigação. Ele possibilita apresentar os projetos por ângulos diferentes, ou seja, de modo mais detalhado.

O cliente também consegue visualizar de maneira mais clara como ficou o resultado, compreendendo quais são as suas capacidades como profissional. Essa medida aumenta as chances de o negócio ser fechado.

Esse tipo de portfólio pode ser criado em algum site direcionado para isso ou você pode criar um. O problema da segunda alternativa é que é mais difícil ter visibilidade. Por sua vez, optar pelo primeiro caminho é mais fácil.

Seu portfólio pode ser criado, por exemplo, em uma galeria virtual, que disponibilize espaço de destaque para os projetos mais visualizados, conte uma área para os recentes, outra para os mais comentados, que permita procurar projetos ou pessoas etc.

As vantagens do portfólio digital são a mobilidade, a maior exposição do seu trabalho e a possibilidade de criar até animações, como filmagens, jingles, apresentações em flash e mais.

A única desvantagem é que a configuração do monitor pode deixar as cores um pouco diferentes daquelas do projeto original.

Se for optar por um dos tipos de portfólio, escolha o online. Você pode salvar os projetos e apresentá-los aos clientes usando um tablet, notebook ou até mesmo seu smartphone. Por suas características, esse modelo se torna mais profissional e confere mais credibilidade perante os clientes.

2.3. Como criar um portfólio eficiente

A elaboração do portfólio deve passar por algumas etapas. Veja algumas dicas para criar o seu de modo eficiente:

2.3.1. Selecione os projetos

O portfólio deve conter entre 5 e 7 projetos que representam melhor as suas habilidades como designer de interiores. Lembre-se de incluir plantas, elevações, representações, desenhos em perspectiva etc. Apenas evite colocar mais desenhos, porque se torna cansativo e pode não ser tão efetivo.

2.3.2. Defina uma narrativa

O portfólio deve contar uma história. É importante que você, como profissional, capture as intenções de seus próprios projetos e tente montar uma narrativa com os elementos. Os textos devem complementar essa ideia. Eles devem ser concisos e objetivos, além de apresentar seu contexto e intenções.

2.3.3. Priorize as apresentações visuais

As imagens são o aspecto mais relevante de um portfólio. Aposte nelas em todos os seus mais variados aspectos, como imagens em 3D, fotos, cortes, plantas, maquetes e outros diferentes materiais gráficos. Quanto aos desenhos técnicos, prefira deixá-los de modo sucinto. Insira somente as informações relevantes para evitar a poluição visual.

2.3.4. Atualize seu portfólio

Os projetos devem ser atualizados sempre que um projeto importante for finalizado. Se você não conseguir fazer isso, aguarde no máximo 1 ano para realizar esse processo.

2.3.5. Conte com a ajuda de um fotógrafo

As imagens do seu portfólio devem ser retiradas por um fotógrafo profissional. Esse investimento vale a pena, porque o resultado será muito melhor. No entanto, é importante ter cuidado. É preciso apresentar o projeto e os conceitos que embasaram seu desenvolvimento a quem vai tirar as fotos. Assim, é mais fácil ele interpretar e conseguir fazer a narrativa.

3. Organize os seus trabalhos

A organização é inerente ao trabalho do designer de interiores. Esse também é um pré-requisito para organizar o seu portfólio. Como fazer isso?

Confira algumas dicas que vão ajudar nesse processo:

3.1. Dedique esforço e dedicação

O primeiro passo para organizar os trabalhos é empenhar tempo e esforço para que esse projeto se desenvolva. É preciso sacrificar o tempo de diversão e lazer para criar o portfólio.

3.2. Vença a autocrítica

A autocrítica é a principal dificuldade na hora de criar um projeto para si mesmo. Lembre-se de que o feito é melhor que o perfeito. Portanto, ultrapasse a dificuldade de criar para si e comece a aplicar suas ideias agora mesmo.

Experimente diversos layouts, fontes e estilos. Observe o que mais deu certo e não dê atenção se algo estiver incomodando. Se você for perfeccionista, tente desencanar e tenha em mente que o melhor resultado é conseguido depois de muitas tentativas.

3.3. Organize-se

A elaboração do portfólio depende de uma boa dose de organização nos próprios projetos. Crie um método para separá-los, por exemplo:

  • divisão por categorias: layouts, ilustrações, fotografias, entre outras;

  • divisão por tema: decoração de sala, cozinha, quarto feminino etc.;

  • divisão por ordem cronológica: dos trabalhos mais recentes para os mais antigos.

Além disso, é preciso organizar o seu tempo. Cuide para que o projeto não fique engavetado, porque disso depende seu futuro profissional. Tente reservar, pelo menos, 30 minutos por dia para trabalhar nessa ideia.

Se conseguir fazer isso, serão dedicadas duas horas e meia somente para isso a cada semana. No final de um mês chegará a dez horas, sem contar os finais de semana, que você também pode utilizar para aprimorar a sua ideia.

Perceba que todas as dicas elencadas neste post ajudam na organização. Isso ajudará a trazer recompensas agora e no futuro.

3.4. Organize um repertório de inspirações

As ideias que você tem devem ser armazenadas em uma pasta, seja física, seja virtual. Assim, você tem referências para criar novos projetos e atualizar seu portfólio. Use esse repertório como base para que os seus projetos sejam cada vez melhores.

3.5. Documente os projetos

Uma prática bastante recomendada para designer de interiores é elaboração uma forma de documentar os projetos. Faça como um banco de dados, que serve tanto para subsidiar suas próprias ideias quanto para impressionar os clientes. Eles tendem a gostar da organização e isso passa confiabilidade e profissionalismo.

4. Pense na apresentação dos seus projetos de interiores

Um ponto relevante para criar um bom portfólio é a apresentação dos projetos. Se ela não for adequada é muito mais difícil obter os resultados desejados.

A dúvida que muitos designers de interiores têm é: “qual é a melhor forma de apresentação dos meus projetos?”. Há vários elementos que devem ser considerados. Um deles é o tipo do portfólio escolhido, ou seja, se é impresso ou online.

Ainda existem outros detalhes importantes. Confira:

4.1. Analise o texto e as imagens

A apresentação do portfólio deve ser bonita e bem cuidada. O texto deve ter linguagem acessível, ser direto e claro. Evite colocar um conteúdo muito grande para que o portfólio não fique cansativo.

O ideal é colocar uma descrição breve, que informe rapidamente o contexto e as intenções do projeto. Faça como em uma espécie de ficha técnica. Apresente informações de como os projetos foram concebidos e como foram os resultados obtidos.

4.2. Insira imagens atrativas

O portfólio deve apresentar imagens atrativas. Aposte em imagens 3D, fotos, material gráfico e apresentação de maquetes. Isso ajuda a chamar a atenção dos clientes pelo aspecto visual.

Outra ideia é apostar em plantas e croquis, que evidenciam a sua estrutura como profissional e a importância do trabalho que você realiza.

4.3. Pense nos meios de publicação

Os profissionais, atualmente, estão priorizando a divulgação de seu portfólio pela internet. Isso é decorrente da visibilidade que a web traz e da potencialidade que possui. Nesse caso, você tem a opção de investir em um site ou apostar em plataformas já criadas, como a Galeria Promob.

Agora se você optar por um portfólio impresso há outras estratégias que podem ser adotadas. Uma alternativa é preparar um material gráfico diferente para cada projeto ou cliente. É claro que essa medida é trabalhosa e, talvez, não seja viável para o seu caso, mas você pode adaptar conforme as suas possibilidades. Em quaisquer casos, busque manter o portfólio atualizado.

4.4. Tenha cuidado com o excesso de imagens

Um erro que alguns designers de interiores cometem é colocar imagens em excesso, que acaba poluindo o visual. Esteja certo de que a programação visual é um critério que pode fazer com que o cliente não feche o negócio. Afinal de contas, demonstra a sua potencialidade como profissional.

A poluição visual prejudica o resultado do seu trabalho e impede que ele se destaque da concorrência. Tenha certeza de que as imagens precisam se destacar. Por isso, evite ter um material muito denso, porque quanto mais informações tiver, pior será.

O ideal é que as imagens respirem. Além disso, é fundamental evitar colocar informações aleatórias para dar a impressão de consistência. Essa atitude tira a importância do projeto e sua credibilidade.

4.5. Imprima personalidade aos seus projetos

Seu trabalho como designer de interiores deve ter personalidade. É importante deixar claro o seu estilo, porque isso vai interferir no projeto que você vai conceber ao cliente. Isso significa que ele deve concordar com as suas ideias e gostar dele. Caso contrário, não vai ficar satisfeito.

4.6. Opte por um portfólio curto

Alguns profissionais acreditam que um portfólio longo é melhor que um curto. Isso não é verdade. Um portfólio com muitas páginas e projetos tende a ser cansativo e pode fazer com que o cliente fique mais confuso do que decidido.

Tenha em mente que é melhor ter 2 projetos excelentes do que 10 de nível médio. Portanto, não siga uma regra ou fórmula mágica. A ideia é trazer um projeto impactante logo no início para conquistar o cliente, já que o período que ele vai analisar com atenção está na ordem de 1 minuto.

4.7. Analise se o portfólio está adequado ao perfil do cliente

Os clientes podem ter perfis diversos e isso requer que você adapte o seu portfólio. Um projeto, por exemplo, que agrada um cliente pode fazer outro desistir do negócio com você.

Perceba que não é preciso incluir projetos bem diferentes, apenas fazer uma adaptação. Por exemplo: se o cliente atual não gostar de cores muito chamativas, não coloque projetos que tenham essa característica. Adapte-o e insira projetos com cores mais suaves, que tenham mais a ver com o perfil de quem vai avaliar.

5. Inove!

A inovação é o segredo para o sucesso. Você pode fazer isso encontrando uma nova utilidade para algum objeto ou tendo uma ideia exclusiva, que ainda não existe no mercado. De toda forma, o objetivo é fazer com que o seu cliente tenha mais comodidade e praticidade no dia a dia.

O problema é conseguir inovar dentro do mercado de design de interiores. Pode parecer, em um primeiro momento, que há saturação de projetos, que as ideias estão ultrapassadas ou que todo mundo já faz o mesmo.

Porém, acredite: você pode inovar no seu portfólio e nos projetos que cria. Para ajudá-lo nessa tarefa, veja algumas dicas que podem auxiliar:

5.1. Aprenda a se arriscar, fracassar e aprender com isso

A inovação é um processo de tentativa e erro. Você vai criar um portfólio e pode ter um resultado ruim, mas não desanime. Aprenda com os seus erros e continue persistindo.

Ajuste o portfólio sempre que necessário e esteja sempre à procura de novas ideias. Tenha em mente que a inovação é um processo que engloba diversas tentativas. Por isso, invente, coloque em prática e analise os resultados.

Se a iniciativa deu certo, ótimo, continue. Se deu errado, descarte, veja o que não foi positivo e ajuste. Com o tempo você chegará à excelência.

5.2. Direcione seus projetos

Seu portfólio deve ter um objetivo específico. Quando você age sem ter um direcionamento ou motivo, não consegue alcançar a inovação.

Esteja certo de que não é preciso saber o futuro. O importante é criar projetos que possam atrair clientes e pensar em ferramentas e opções sofisticadas, que possam trazer novidades.

Busque e teste novas ideias constantemente. Seus clientes vão indicar o que lhes agrada ou não.

5.3. Use ideias de outras pessoas

As ideias devem ser recicladas e servir como referência. Entenda que não há uma ideia única no mundo. O que você pensou provavelmente já foi utilizado por outras pessoas.

Por isso, não queira “inventar a roda”. Se acontecer de você ter uma ideia inédita, aproveite-a e use como seu diferencial. Mas não foque exclusivamente nisso. Buscar projetos que estão fazendo sucesso em outras partes do país e do mundo é o suficiente.

Essa é uma forma de garantir clientes, atraí-los e conquistar uma boa fatia de mercado, conquistando vantagem competitiva.

5.4. Busque parcerias

As parcerias são fundamentais para um designer de interiores. Esse profissional precisa lidar com muitos elementos, como tecidos, assoalhos, papéis de parede, móveis, entre outros. É impossível que você consiga fazer tudo sozinho.

Por isso, o ideal é contar com outros profissionais para criar projetos melhores e crescer na carreira. Conte com a ajuda de fotógrafos para tirar as fotos do seu portfólio, projetistas para aprimorar as ideias, desenhistas para fazer esboços. Enfim, as possibilidades são muitas!

Escolha as parcerias adequadas conforme as suas necessidades. Por exemplo: se você tem boas ideias, mas possui dificuldade de desenhá-las, busque um profissional que possa sanar esse problema.

Por outro lado, esteja atento para que as parcerias complementem as suas capacidades. Selecionar um parceiro que possui as mesmas habilidades que as suas não vai fazer você inovar e se diferenciar. Vai ficar “mais do mesmo”.

Falando em inovação, as parcerias são uma ótima forma de ter novas ideias. Conte com os colegas para fazer brainstorming e criar seu networking. Além da rede de contatos, você ainda consegue obter uma fonte maior de clientes.

Isso porque o networking pode se tornar uma propaganda boca a boca. Para fomentar essa ideia, aposte no relacionamento interpessoal e esteja disposto a discutir novas ideias com os seus parceiros.

5.5. Continue estudando

O estudo é a melhor maneira de ter boas ideias e conseguir inovar. Não precisa ser um estudo formal. Você pode apostar em pesquisas na internet, leitura de revistas específicas, acesso a livros da área etc. Esse é o modo ideal de conhecer o que está em evidência no mundo e trazer para a sua região. Depois é só inserir no seu portfólio e atrair mais clientes.

Gostou de entender como criar um portfólio? Essas dicas são bastante práticas e você deve testá-las para ver o que se ajusta ao seu cenário. Aproveite para ter mais ideias e inovar assinando a nossa newsletter. Assim, você terá acesso aos conteúdos específicos e relevantes para a sua profissão.

Sobre Alexa | Promob

Designer de Interiores, executiva de relacionamento e colaboradora de conteúdo na Promob. Profissional com experiência em projeto de ambientes internos, tendências e inovação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *